buscador

Búsqueda personalizada

martes, 13 de noviembre de 2012

FALANDO PORTUGUÊS com BARTOLOMÉ MITRE










Se viene la noche. La justicia puede caer como una gota china en las cabezas de Bartolomé Mitre y de Héctor Magnetto. Ambos saben que así como se sentaron en el banquillo de los acusados los militares genocidas, ahora es el turno de los civiles. Tarde o temprano van a tener que declarar sobre cómo se apropiaron de la empresa Papel Prensa a punta de picana. Eso los vuelve locos.

Los poderosos empresarios, ora impunes, ora soberbios, sospechan que se acaba el viaje  de negocios y  confabulaciones. El gobierno nacional indómito peronista populista seguirá gobernando para las mayorías, a resguardo de sus influjos corporativos, sus presiones, sus componendas e intrigas premium.

Bartolomé Mitre, con sus declaraciones a la revista semanal brasileña (de derecha) Veja, nos está faltando el respeto a todos, a 12 millones de argentinos que votamos por Cristina, y a muchos más que queremos y defendemos esta democracia inclusiva que se está sacando de encima la mochila neoliberal que quieren conservar los caceroleros del 8N.





ARGENTINA — Bartolomé Mitre, dono do jornal independente “La Nación”:

“Vivemos uma ditadura com votos. A Argentina está imitando a Venezuela”


(...)

─Por que os argentinos ainda não abandonaram o peronismo?

A verdade é que este governo não é realmente peronista. O peronismo autêntico é o inspirado em Juan Domingo Perón, em que as massas seguem o seu líder querido. A figura de Perón desapareceu do atual governo. Cristina fala como se fosse a mulher de Perón, Evita (1919-1952).

Não consigo compreender muito bem a mente de Cristina, mas é evidente que com isso ela busca apoio popular. O kirchnerismo é praticamente um partido à parte. Suas políticas, chamadas pelos apoiadores de “o modelo”, são uma versão espantosa do populismo, que abrange tanto a direita quanto a esquerda. Mas não existem muitos argentinos contentes com o tal “modelo”.

─A Argentina, a exemplo da Venezuela, caminha para uma ditadura?

Algumas pessoas no país podem viajar e comprar dólares, enquanto outras nada têm e não podem sair do país nas férias. Além disso, as múltiplas táticas para calar os opositores quase acabaram com a dissidência política. Essencialmente, vivemos uma ditadura de votos. É a pior de todas. A Argentina está imitando a Venezuela.

Hugo Chávez e essa mulher venceram as últimas eleições presidenciais com a mesma porcentagem de votos, 54%. A origem do poder dos dois, portanto, é legítima. Mas as constituições e as leis estão sendo violadas e alteradas inescrupulosamente em seus mandatos.

Alguns anos atrás, dizia-se que o que ocorria na Venezuela um dia se repetiria na Argentina. A previsão se confirmou. Embora Cristina não seja carismática como Chávez, a política é a mesma.

─Não há democracia na Argentina?

Cristina usa o argumento da democracia a seu favor, mas não passa de uma farsa. O governo viola a liberdade de expressão. No Congresso, faz o que bem entende. Nem o governo de Perón e a ditadura militar foram tão longe. Tudo parece nascer de Cristina.

O governo não respeita a Corte Suprema ou os juízes. Nas últimas semanas, a Casa Rosada tratou de intimidar todos os magistrados que tentaram avaliar as arremetidas oficiais contra o Clarín. Três deles já recusaram o caso ou foram impedidos de assumi-lo. A Justiça está totalmente debilitada.

─Os argentinos são considerados cultos e politizados. Por que deixam isso acontecer?

A Argentina não é mais um país culto. Nada tem sido feito pelo ensino ultimamente. Sempre foi do gosto dos ditadores retirar das pessoas o acesso à informação e ao espírito crítico. Com isso, eles ganham mais votos e se perpetuam no poder. Há no país uma elite que pensa de uma maneira e uma classe baixa que não se informa, não escuta, não toma consciência e segue a presidente. Quanto menos cultura, mais votos Cristina consegue...




Un golpista hecho y derecho, don Bartolomé, de pensamiento, palabra, obra y omisión...

La cárcel lo espera. Los delitos de lesa humanidad no prescriben.





No hay comentarios:

aguantan

Gaza nos duele

Gaza nos duele

Tuiter

blogs

hermanos

hermanos

blogs N - Z

blogs F - M

blogs CH - E

blogs A - C

incorregibles

incorregibles

en vivo

en vivo
clic en la imagen

medios y democracia

ilumina

ilumina
clic en la imagen

hijos de puta

hijos de puta